31.8.11

CHEF RÓ DE VOLTA AO MINHO

#1




...e começa pelo básico: conhecer (ou reconhecer) os cantos a uma casa que "abandonou" há quase 15 anos. Primeira tarefa: assumir que terra é mesmo "terra". Quando era miúdo, não se compravam tomates, pepinos, pimentos, alfaces, ervas aromáticas, etc., no supermercado. Íamos buscar ao quintal. Assim como os ovos, as laranjas, as couves galegas, os feijões, as cebolas, as batatas, os limões (que nasciam na mesma árvore que dava laranjas), as galinhas e os coelhos, a cidreira para as indigestões, o loureiro para os assados, a salsa para tudo, as maçãs e as pêras, as uvas e os figos, as castanhas e as nozes, as pinhas (antes dos pinhões), os pombos e os tordos, os porcos e as vacas... Regresso a Amares, e ao reconhecer uma tendência atroz (entretanto transformada em ética profissional) para falsificar documentos e memórias, sinto que devo entregar-me a isto sem filtros nem escamoteações mais ou menos artísticas. Se tiver que ser bonito, será. E assim agarro na best friend (ou ela em mim) e vamos juntos visitar quintas e quintais, hortas e hortos, familiares e industriais, mais biológicos (seja lá isso o que for) ou mais químicos, dentro e fora dos limites do concelho. Objectivo: plantarmos uma horta (mas uma horta a sério, e não um sucedâneo de "mundo natural" em jeito de horta urbana). Promessa: utilizar os produtos da estação na próxima temporada do Chef Ró (de volta ao Minho). Para isto, as pessoas certas a falar são as "pessoas". E os sítios certos a ir são os "sítios". Informação? Nah! Recuso-me a fazer serviço público, até porque isto não vai ser pago por eles (pelo público, e muito menos pelo serviço). E depois o "sensual absoluto" implica a aplicação de uma dose generosa de secretismo e outra de silêncio expectante naquilo que se faz: ficar de olho na semente à espera que ela desponte, por exemplo. É uma seca? É. Graças a Deus. Tirámos notas, comprámos sementes, arranjámos utensílios e eu fotografei. Esta é a primeira de muitas partes. Daqui até começar a cozinhar, ainda a procissão não pisou o adro.