23.2.14

THE REMIXES

Aula-Evento II
EVERYTHING IS FUSION!

1 de Março de 2014

Bracara Augusta



PROGRAMA
Já tudo foi feito, mas não por nós! Adicionar ao que já existe esse sobrevalorizado cliché que dá pelo nome de “toque pessoal” é o objectivo desta lição. Ou seja, questionar os conceitos de recriação, re-interpretação e desconstrução. Mas também auto/bio/grafia, identidade e personalização. Ou como é que às vezes o remake pode inaugurar o advento de um novo prato. Repensar o conceito de multi-culturalidade gastronómica, a sazonalidade dos produtos, as regiões demarcadas e as “dietas” geográficas mais populares (comerciais?). Partilhar as nossas versões “pessoais” do bacalhau com natas, do caldo verde, ou do arroz doce, em modo reunião-do-tupper-ware (outra vez, quiçá sempre), mas desta vez ao som de uma colecção de covers que ficaram mais populares que os respectivos originais. Ou seja, dar cabo do copyright culinário em três actos (entrada, prato principal e sobremesa).

AUDIO/VIDEO/BIBLIOGRAFIA DE APOIO
“Leave The Story Untold”, 2 Many DJs; “Good Copy, Bad Copy”, documentário de Andreas Johnsen, Henrik Moltke e Ralf Christensen; “Chef Rø eating a bifana” [vídeo-instalação], Chef Rø feat. António MV; “Radio Soulwax” (streaming directo a partir da Internet), “Diferença e Repetição”, de Gilles Deleuze.

DECORATION CODE
Rave party (Berlim, anos 90).

PALAVRAS-CHAVE
Mashup, Remix, Originalidade, Copyright,
Receituário Pessoal, Fusão, 1+1=3.


Chef Rø eating a bifana from Chef Rø on Vimeo.


Início
Bruschetta Bolhão Pato.
[ou o conhecido prato de amêijoas a abraçar vários clichés da designada "dieta mediterrânica"]

Meio
Frango à Heterossexual c/ Arroz Malandro.
[re-interpretação de vários estereótipos gastronómicos associados à galinha & seus derivados] 

Fim
Cão de Pavlova.
[ou uma desconstrução/inversão da conhecida sobremesa australiana; ou será neo-zelandesa?]




Mais

20.2.14

THE COVERS

Aula-Evento I
BY THE BOOK

21 de Fevereiro de 2014
Bracara Augusta




PROGRAMA
Seguir a receita de “clássicos contemporâneos” (culinários e artísticos), degustando pratos consensuais e realizando misturas e contrastes com o símbolo de garantia da Química Alimentar. Questionar o conceito de “tradição”, mas sobretudo o conceito de “modernização”, parentes próximos, ou então filhos bastardos um do outro. Repensar, mimando, a linhagem pedagógica mestre/aprendiz, da Idade Média até ao futuro. Partilhar receitas infalíveis, em modo reunião-do-tupper-ware, ao som de crooners incontestáveis. Rever as técnicas basilares, os truques incontornáveis, as misturas consensuais. Comer o resultado à luz de velas.

AUDIO/VIDEO/BIBLIOGRAFIA DE APOIO
“A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica”, Walter Benjamin; O Livro de Pantagruel (o original de Bertha Rosa Limpo); “Eat Drink Man Woman”, de Ang Lee; The Very Best of Frank Sinatra; uma gravação áudio da leitura do manifesto “Stuckista” por Billy Child (1999); os melhores momentos de Meryl Streep no filme “Julie and Julia” (a partir do Youtube).

DECORATION CODE
Marcel Duchamp vs. Andy Warhol.

PALAVRAS-CHAVE
Reenactement, Readymade, Clássico,
Repertório, Receituário Tradicional, Universalidade.



Entrada
O Caldo Verde.
[segundo recolha da mestre Maria de Lurdes Modesto]

Prato Principal
O Bacalhau À Braga.
[segundo pesquisa do mestre Alfredo Saramago] 

Sobremesa
O Arroz Doce.
[segundo receita do mestre Chefe Silva]



Mais